Mamografia

icone mamografia branco

Mamografia

A mamografia pode identificar lesões benignas e cânceres, que geralmente se apresentam como nódulos ou calcificações.

Mamografia: prevenção e detecção

A mamografia é a melhor forma de detectar o câncer de mama antes de sua detecção pelo exame clínico

A mamografia é um exame radiológico para a avaliação das mamas, feito com um aparelho de raio-X chamado mamógrafo.

Esse exame é usado para detecção precoce do câncer de mama antes mesmo de ser identificado clinicamente por meio da palpação. O estudo “Swedish Two-County Trial of mammographic screening”, feito com 133.065 mulheres durante quase três décadas, mostrou que a mamografia regular pode reduzir em 30% as mortes por câncer de mama.

 

Câncer de mama

Tecnologia aliada à saúde

A mamografia digital, hoje mais difundida, fornece resultados tão satisfatórios quanto a mamografia tradicional.

Porém, como na mamografia digital a possibilidade de manipulação da imagem existe, se torna mais eficiente – no sentido de que não é necessário se realizar mais de um procedimento. Além do fato de a imagem se tornar muito mais nítida para um posterior diagnóstico.

Vantagens da mamografia

Além do fato de a mamografia ser a melhor forma de se descobrir o câncer de mama em seu estágio inicial, esse exame pode ajudar a diagnosticar outras disfunções, como:

  • Calcificações: pequenos depósitos de cálcio que se localizam nas mamas, mas sem maiores perigos
  • Cistos: pequenas alterações, a princípio inofensivas, no tecido mamário
  • Nódulos: pequenas formações sólidas nas mamas, que em sua maioria são benignas

Sensibilidade

Para algumas mulheres, o desconforto durante o exame pode ser um pouco maior, já que isso depende do grau de sensibilidade que cada uma possui.

Já que a realização do exame se dá com a colocação da mama sobre uma espécie de bandeja, as mulheres que possuem os seios menores também sentirão um pouco mais de desconforto.

Uma dica para reduzir essa dor seria não fazer esse procedimento durante o período pré-menstrual, quando as mamas estão mais sensíveis.

Silicone

A interferência do silicone na mamografia é mínima, caso ele tenha sido aplicado atrás do músculo peitoral.

Mas, caso ele tenha sido colocado na frente desse músculo, então é necessário que o profissional utilize uma técnica, chamada Manobra de Eklund. Ela consiste em mover, com as mãos, a prótese para trás do tecido mamário, ao mesmo tempo em que puxa a mama para a frente.

Essa técnica melhora consideravelmente a visão do raio-X. Porém, caso o médico ache necessário, ele pode pedir exames complementares, como ultrassonografia ou ressonância.

Periodicidade

A partir dos 40 anos, é importante que a mulher realize a mamografia anualmente.

Porém, caso sua mãe ou irmão tenha sido diagnosticada com a doença, o Inca (Instituto Nacional do Câncer) recomenda que o primeiro exame seja feito dez anos antes da data em que as familiares foram diagnosticadas, não importando a sua idade. E, a partir daí, será feito anualmente.

Já a partir dos 70, a periodicidade será definida pelo seu médico, já que são vários os fatores que deverão ser levados em conta para essa resposta.

Autoexame

O autoexame é um procedimento que deve ser feito por toda mulher, independente de sua idade.

Porém, não deve ser visto como um substituto á mamografia.

A mamografia, além de possuir resultados muito superiores e mais confiáveis do que o autoexame, também é realizado por um profissional, o que garante muito mais solidez ao procedimento.

Mulheres mais jovens

Para mulheres mais jovens (abaixo dos 40) que decidem por fazer o exame, é recomendado que façam uma ultrassonografia, já que a mama de mulheres mais jovens costuma ser mais densa.

Nesses casos, a mamografia somente será necessária caso o médico ache necessário e faça sua prescrição.

Ver o que os olhos não alcançam

Exames não invasivos, capazes de escanear o interior do corpo são a chave para um bom diagnóstico.

Por isso, o Grupo de Saúde Lapecco possui os mais avançados aparelhos do mercado, para que você possa sentir segurança não somente em seus diagnósticos, mas também na companhia de nossos profissionais.

Exames

Habitualmente, é recomendado um período de jejum para a coleta de sangue para exames laboratoriais. Após as refeições, a circulação de certos elementos provenientes da alimentação pode interferir em algumas metodologias laboratoriais e prejudicar a realização do exame. Alguns exames sofrem influencia da dieta diária prévia à coleta, mesmo respeitando-se o período regulamentar de jejum, sendo exemplo bem conhecido a dosagem de triglicérides que apresenta variações importantes conforme a característica da dieta prévia.

Sim. Para glicemia o jejum máximo é de 14 horas. As Recomendações da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) para coleta de sangue venoso orientam que devem ser evitadas coletas de sangue após períodos muito prolongados de jejum ? acima de 16 horas, de maneira geral.

Classicamente, a melhor condição para coleta de sangue para realização de exames de rotina é o período da manhã, embora não exista contra-indicação formal de coleta no período da tarde, salvo aqueles parâmetros que sofrem modificações significativas no decorrer do dia (exemplo: cortisol, TSH, etc.). Assim, obedecendo-se ao tempo estipulado de jejum, alguns exames podem ser colhidos à tarde. O horário em que foi realizada a coleta deve ser informado ao médico no laudo.

Não.
A ingestão de pequena quantidade de água, no decorrer do jejum alimentar, não prejudica a realização de exames de sangue.

Exames de Urina

Idealmente os exames de urina deveriam ser colhidos no laboratório, mas é permitida a coleta em casa, desde que sejam seguidas as orientações quanto aos cuidados de assepsia, coleta, transporte e armazenamento. As uroculturas devem ser colhidas, preferencialmente, no laboratório.

O primeiro jato urinário transporta células e secreções presentes na uretra. Na investigação de infecção urinária é importante que o material não esteja contaminado com resíduos uretrais.

Sim. O ideal é fazer o exame fora do período menstrual, contudo, nos casos de urgência a urina pode ser colhida tomando-se cuidado com a assepsia para tentar evitar que o sangue menstrual se misture à urina. O mesmo é válido para cremes e óvulos, devendo-se adiar a coleta por 48 horas ou no caso de urgência fazer assepsia rigorosa, eliminando resíduos dos produtos.

Exames de Fezes

Não, recomenda-se a coleta em casa, em frasco apropriado, sem contaminação com urina.

Sim. O álcool é um irritante gástrico e sua ingestão em grande quantidade pode provocar sangramento no estômago. Deve-se evitar a ingestão de bebida alcoólica nos três dias que antecedem o exame.

Não. Os testes atuais não sofrem interferência da dieta. Entretanto, recomenda-se evitar bebida alcoólica, uso de laxantes, contraste oral e alguns medicamentos como aspirina, corticóides e anti-inflamatórios nos três dias que antecedem o exame. Aguardar 48 horas após sangramentos hemorroidários e menstruais terem cessado.

Exames de imagem

A presença do implante de silicone, dependendo de sua localização (anteriormente ou posteriormente ao músculo peitoral), exige modificação da técnica padrão de realização do exame de mamografia, acrescentando-se a realização de uma ou duas incidências adicionais (um ou dois filmes a mais de cada mama), evitando a sobreposição do implante sobre o parênquima mamário. A eficácia dessa "manobra" é avaliada pelo médico durante a realização do exame e o mesmo julgará se será recomendável avaliação complementar por outro método de imagem nos casos duvidosos, sinalizando no relatório da mamografia. Todavia, a avaliação clínica e julgamento do médico solicitante ao receber o resultado são fundamentais para a decisão da real necessidade de complementação. De qualquer forma, a mamografia continua sendo o exame de escolha na detecção do câncer de mama mesmo em pacientes com implantes de silicone.

Usualmente solicitamos exames anteriores da região do corpo a ser estudada no exame atualmente pedido. Mesmo que antigos, esses exames fornecem importantes informações sobre o histórico do cliente relativamente à região em estudo e podem até orientar a melhor forma de se programar o exame atual.

Em alguns casos, a apresentação do exame anterior é imprescindível para a realização do exame atual e sua ausência pode impossibilitar a execução do estudo pedido e sua adequada avaliação. São exemplos dessas situações: apresentação do último exame de mamografia para realização da mamografia atual e para realização de ultrassonografia das mamas; apresentação de exames de imagem anteriores para realização de punções e biópsias de órgãos orientadas por métodos de imagem; apresentação de exames anteriores para exames de acompanhamento evolutivo de pacientes oncológicos.

Serviços de Exames de Imagem em BH

Topo